Geografia

A Natalidade e a Mortalidade em Portugal!

A natalidade continua a baixar, situando-se agora em 1,36 crianças por mulher em idade fértil. Mas as cidades também não estão feitas a pensar nos menores e os pais não são apoiados, denunciam os peritos. A boa notícia é que a taxa de mortalidade infantil têm vindo a diminuir, sendo de 3,5 óbitos por mil nados-vivos. Números que se recordam a propósito do Dia Universal da Criança, amanhã, que celebra os 18 anos da Convenção dos Direitos da Criança.

Os portugueses, tal como acontece nos outros países europeus, têm vindo a retardar a natalidade e a diminuir o número de filhos. A taxa de natalidade passou de 28% em 1935 para 10% em 2006. Ou seja, praticamente três vezes menos, o que significa que não está a ser feita a renovação de gerações, o que só é possível com 2,1 por mulher.

Os estudos demonstram que as mulheres retardam a natalidade até conseguirem estabilidade profissional. E, se em 1987, tinham os filhos antes dos 30 anos, nove anos depois, é no grupo dos 30 aos 34 anos que se verificam a maioria dos nascimentos. O primeiro filho deixou de surgir aos 26,8 anos para passar a ser aos 29,9.

A queda da natalidade começou no início dos anos 60, até que em 1986 atingimos o indicador da fecundidade actual, que é de 1,4 filhos por mulher. Este indicador tem-se mantido constante e é o valor da Europa dos 15. É muito baixo. Significa que não estamos a assegurar a substituição das gerações.

Bibliografia:

http://dn.sapo.pt/2006/06/01/tema/natalidade_atingiu_nivel_mais_baixo_.html

http://dn.sapo.pt/2007/11/19/sociedade/portugal_a_mais_baixa_taxa_natalidad.html

Grupo 07:

Ana Catarina, Ana Cláudia e Soraia Fortunato